domingo, 14 de junho de 2020

A Perda do Olfato O Que É?



A olfação é o primeiro órgão dos sentidos a se desenvolver embriologicamente. É
um dos fatores que permitem ao ser humano compreender e se relacionar com o meio
ambiente, sendo importante para uma boa qualidade de vida. Além disso, serve como
importante instrumento de alerta contra incêndios, escapes de gás e alimentos estragados.
Sua disfunção acarreta importantes perdas sociais, principalmente em bombeiros,
empregados de empresas de perfumes ou gourmets. A sua ausência ou alteração dependem
do estado anatômico do epitélio nasal e dos sistemas nervosos central e periférico.
Mínimas alterações na olfação pode ser um sinal precoce em desordens
neurológicas como na doença de Alzheimer e de Parkinson.

Perda olfativa
A perda de olfato é o tipo mais comum de distúrbio olfativo. A anosmia é o termo médico para a ausência do olfato, enquanto hiposmia refere-se a um olfato reduzido. O ponto em que a hiposmia se torna anosmia e vice-versa não é exatamente claro, no entanto. Existem muitos graus de perda olfativa; algumas pessoas a perdem completamente e de repente, enquanto outras a experimentam gradualmente ao longo do tempo, às vezes sem perceber que está se deteriorando. Algumas pessoas nascem sem um olfato - isso é conhecido como anosmia congênita.

Anosmia é considerado uma condição rara, mas provavelmente é mais comum do que muitas pessoas pensam. Vários estudos realizados em vários países para tentar estabelecer a prevalência de perda de olfato sugeriram que entre 0,1% e mais de 5% das pessoas são anosmáticas e até 50% sofrem hiposmia. Obviamente, os resultados variam de acordo com quem foi pesquisado em cada estudo, mas, considerando tudo isso, talvez seja razoável dizer que potencialmente cerca de 5% da população tem anosmia ou hiposmia grave.

Distúrbios olfativos qualitativos
Esses geralmente são efeitos colaterais da perda olfativa, e não condições por si só. Parosmia refere-se a distorções do sentido do olfato, onde um odor pode ser percebido, mas não cheira da maneira que deveria (geralmente desagradável). Fantosmia, como o nome sugere, refere-se a cheiros "fantasmas"; ser capaz de detectar um odor quando não há cheiro real.

Causas de Distúrbios Olfativos
Distúrbios nasais e alergias - 70% *
Esse grupo de condições é responsável pelo que os médicos chamam de "perda olfativa condutiva"; obstrução no nariz que impede que moléculas odorantes atinjam os neurônios do receptor olfativo. Todas as seguintes condições se enquadram nessa categoria:

Rinossinusite Crônica
Septo desviado ou corpo estranho que obstrui o fluxo de ar
Rinite alérgica causada por pólen, poeira, pelos, etc.
Perda olfativa pós-viral  11% *
Provavelmente, é seguro dizer que todo mundo perdeu o olfato por curtos períodos durante a vida, quando teve resfriado ou gripe. Os vários vírus que causam o resfriado e a gripe comuns podem danificar e interferir no epitélio olfativo, o revestimento na parte superior do nariz que contém as células receptoras olfativas.

Perda olfativa pós-traumática 5% *

Ferimentos na cabeça podem resultar na perda do olfato. A extensão dessa perda pode depender não apenas da gravidade da lesão, mas também da parte da cabeça danificada. Lesões nas costas ou nas laterais da cabeça têm mais probabilidade de resultar em perda de olfato, pois o impacto pode causar colisão do cérebro com a parte interna da frente do crânio. Isso pode causar danos não apenas ao próprio cérebro, mas a outras partes do sistema olfativo, como o nervo olfativo.

Anosmia idiopática 6% *
Refere-se a pacientes nos quais, após testes extensivos, não há causa para a perda do olfato. É importante que esse diagnóstico seja feito somente após a realização de exames de sangue e exames cerebrais.

Anosmia congênita 1% *
Ocasionalmente, as pessoas nascem sem olfato. Por que isso acontece não é bem compreendido. Às vezes, isso pode fazer parte de uma condição chamada síndrome de Kallmann, que inclui a falta de produção de hormônios na hipófise devido a um defeito na parte do cérebro chamado hipotálamo. Alguns anósmicos congênitos podem, no entanto, ter a perda do olfato isolada. Também existem pessoas que podem acreditar que não têm olfato desde o nascimento, mas talvez o tenham perdido em tenra idade devido a um vírus ou pancadas na cabeça.

Causas mais raras
Outras causas mais raras para a perda de olfato incluem:
Exposição a toxinas
Iatrogênico (causado por tratamento médico)
Derrame
Tumores
Outras queixas médicas - diabetes, insuficiência renal
Mal de Parkinson
Doença de Alzheimer
Epilepsia
Abuso de drogas
Alcoolismo crônico

Muitas pessoas consideram seu olfato garantido. No entanto, perder apenas um pouco do olfato pode afetar sua qualidade de vida, resultando em sentimentos profundos de perda e, em alguns casos, isolamento e depressão

Neste momento de pandemia, acometido ou não pelo COVID-19 é muito importante mencionar uma mudança no seu olfato para o seu médico, a fim de determinar sua causa e possíveis resultados. Uma mudança no sentido do olfato pode ser resultado de um vírus ou trauma físico ou um indicador precoce de outras doenças.    

Há muitas questões a serem avaliadas pelo médico quando a falta do olfato é percebida, da falta de  vitaminas, uso de remédios, bem como sazonalidades e até mesmo questões emocionais  devem ser observados.
 Vimos anteriormente que a perda de olfato está entre os sintomas do COVIDA-19 e neste caso devemos seguir a orientação da organização mundial da saúde, bem como um acompanhamento médico após a recuperação.
Segundo professor Prof Claire Hopkins,
"dado o potencial de COVID-19 apresentar anosmia e os relatos de que o uso de corticosteroides pode aumentar a gravidade da infecção, desaconselhamos o uso de esteroides orais no início de novos tratamentos de anosmia durante a pandemia, principalmente se não estiver relacionado a traumatismo craniano ou patologia nasal (como pólipos nasais)"

É possível que, se algum adulto com anosmia, mas nenhum outro sintoma foi solicitado a se auto-isolar por sete dias, além dos critérios atuais de sintomas usados ​​para desencadear a quarentena, poderemos reduzir o número de indivíduos assintomáticos que continuam agir como vetores, sem perceber a necessidade de isolamento.


Acompanhe as próximas postagem para saber como podemos fazer o treinamento olfativo e outras técnicas em favor ao estimulo e recuperação do olfato.





   
Fontes
* Os números apresentados acima provêm do estudo de 2004 de Damm et al: Disfunções olfativas. Epidemiologia e terapia na Alemanha, Áustria e Suíça. Este é um estudo freqüentemente citado realizado em vários hospitais em três países europeus diferentes. 
Prof Claire Hopkins, BMBCh, MA FRCS(ORLHNS) DM(Oxon)
forl.org.br/AlexandreAkio
https://www.fifthsense.org.uk/

Nenhum comentário:

Postar um comentário