sexta-feira, 3 de junho de 2016

Pensamento Crítico e Psicológico Familiar

Você sabe se beneficia ou Mina a sua família?


Partindo de uma visão ampla, considerando as normas e tendências da nossa sociedade, ou até mesmo valores perdidos e dissociados do senso comum e ético, como você visualiza seu papel na sua família? 

Será que você a valoriza, ou pelo contrário, acaba minando os projetos e os membros dela.
É uma situação interessante quando podemos observar os valores que cada integrante dentro de uma família  carrega ao longo da vida, as vezes valores que tornam sua vida feliz e as vezes valores que se transformam numa sequência de traumas mal resolvidos e problemas outorgadas.

Conforme mencionado, vivemos em uma sociedade e ainda que constituída de valores ou da falta deles é impossível desconsiderá-los à conduta social de cada um, pelas razões que elas imprimem na vida das pessoas desde sua infância até seu último suspiro . As reações ao mundo social são das mais variáveis, alguns procuram saídas para enfrentá-lo outros para fugir dele, para aprender ou sabotar, para assistir e desejar ou conquistar, para seguir o caminho mais fácil ou árduo, o da aceitação ou contrário, e por ai vai...
Imagine as respostas para estas perguntas:

Quem é sua inspiração na família?
Quem mais te ajudou em suas conquistas?
A quem você dedicou seu tempo e seus esforços para contribuir com o sucesso?
Por quem você abriu mão dos seus sonhos?
O que mais você lamenta em relação a sua família?
Você acha que vive o resultado do que sua família lhe proporcionou?

São perguntas que, se respondidas, podem revelar o quanto você é feliz ou infeliz de acordo com o sentimentos que você traz na sua vida em relação a sua família.
Normalmente vivemos o presente sem cuidar a forma que construímos nossas vidas, não que devamos viver para o futuro, mas atos, palavras e sentimentos são parte dele inquestionavelmente, por isso, quando falamos de família é inevitável separar o presente do futuro, bem como o que você considera justo e aceitável para realidade que cria e criou. 

Uma dica para observar claramente toda essa teoria é o filme "Joy: O Nome do Sucesso"

  
As vezes precisamos nos enxergar nos outros, mesmo que representado em ficção, até mesmo em culturas diferentes, como se nos observássemos na tela, no livro ou na história. A autoanálise não é ficção é uma forma racional de ponderar seus valores e reações sociais. Talvez, ainda não tenhamos consciência total do que estamos vivendo junto a nossa família, mas já temos a capacidade de analisar criticamente o que podemos fazer para contribuir com ela, consequentemente com a nossa vida.

Bom filme
Adriano Brasil


Astral Aromas  



Nenhum comentário:

Postar um comentário