segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

O Peixe Cru e o Caso Salmão Selvagem / Transgênico / Cativeiro

O Peixe Cru e o Caso Salmão                                 

Parece que as alternativas de alimentação natural, livre de químicas, antibióticos ou transformações genéticas estão cada vez mais difíceis, e segundo nosso governo, claramente acomunado com as grandes indústrias do agronegócio, também incluiu os peixes nessa máquina de criação e produção de alimentos. Aqui o foco fica no salmão como alimento cru, sua origem e o ecossistema, portanto, como consumidores devemos considerar algumas observações.





Sobre o consumo do peixe cru ou mal cozido

Os pratos à base de peixe cru ( sashimi, sushis e outros) podem causar sérios problemas ao nossa saúde, quando ignorados alguns detalhes. De forma geral as bactérias estão em todos alimentos e no caso de parasitas em carnes cruas, então tenha certeza que está comendo peixe de boa procedência e respeito das normas sanitárias. 
Há uma determinação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e pelo CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo) de que o peixe permaneça a -20ºC por, no mínimo, sete dias ou -35ºC por, no mínimo, 15 horas de modo a exterminar qualquer parasita na carne, principalmente o salmão; ocorre que a associação brasileira de culinária japonesa alegava que os restaurantes somente tinham condições a -18ºC, assim, outra determinação vinculou a compra desses peixes já congelados, diretamente dos seus distribuidores, no entanto, por motivos insatisfatórios comerciais essa norma foi desobrigada, lembrando que o motivo inicial foi a causa do surto de uma infecção adquirida pelo consumo de peixe cru (Sushi e Sashimi) em São Paulo, meados de 2005, a capital registrou 28 casos da difilobotríase, doença transmitida pelo parasita Diphyllobothrium, um dos parasitas que tem como hospedeiro o homem.
Desta forma ficou responsável pelo preparo e manutenção dos peixes os estabelecimentos que o manejam devendo respeitar as nomas da vigilância mencionadas anteriormente. 
Em relação ao consumo do salmão no Brasil, que na sua imensa maioria tem origem dos cativeiros chilenos, bem como outros peixes todos a partir da aquicultura, exemplo no Brasil seria o caso da truticultura (produção de trutas), trazem a discussão se de fato são saudáveis e nutritivos, levando em consideração as vacinas, hormônios, ração, corantes e pesticidas durante toda criação, além disso, as consequências que a aquicultura traz para o ecossistema.
Agora, a questão sobre consumir esses pratos deliciosos fica completamente aos cuidados do consumidor, junto ao seu fornecedor de certificar a origem e a qualidade de seus pratos.
Vídeo mostra todo processo de criação do salmão chileno 



Vídeo mostra o ciclo da vida do salmão selvagem

O salmão tem uma trajetória muito interessante na natureza, pois nasce em rios de água doce e frias, (originais dos nortes da América e Eurásia) nada quilômetros no oceano e  outros rios, e surpreendentemente retorna exatamente onde nasceu para procriar e morrer* (de acordo com tipo). Claro que hoje em dia, o homem já  tornou a vida do salmão ainda mais difícil, não bastasse o ciclo predatório natural dos animais, existem as barreiras como as barragens, minas, resorts e o aquecimento global tornando seu regresso quase que impossível. 
 
Vídeo mostra tipos e situação atual do salmão selvagem

Mas o salmão que adquirimos aqui no Brasil como pudemos ver no primeiro vídeo, nada tem a ver com o salmão selvagem. De fato, pouquíssimo e caríssimo salmão selvagem chega ao Brasil, todo salmão consumido no Brasil é importado do Chile - o segundo maior criador de salmão em cativeiros (Aquicultura) no mundo. 
Muitos fatores negativos envolvem este tipo de agronegócio, tais como:

Video Americano satiriza o desconhecimento sobre o Salmão e Atum
  • Produção em grande escala, o que significa uma super população de peixes dentro de um tanque, que para não sofrer com doenças, piolhos e vírus serão   submetidos a utilização de fármacos (antibióticos, pesticidas, fungicidas, bactericidas e hormônios).
  • Devido ao acúmulo dessas químicas utilizadas nesses criadouros os peixes também carregam altos índices de Ascarel (PCBs), Dioxinas e antibióticos que tornam o seu consumo inviável para saúde humana.
  • Toda ração que é lançada dentro dos tanques não é completamente consumida pelos peixes e considerando que a composição da ração seja à base de outros vários peixes, frango, porco e outros produtos transgênicos, juntamente com os excrementos do peixes resulta numa degradação da biodiversidade. Como pudemos ver nos vídeos a vida marinha na região dos tanques é completamente aniquilada pela contaminação das águas nestes cativeiros.
  • O salmão selvagem é carnívoro e tem uma dieta à base de crustáceos (Krill e camarão) o que lhe atribui uma carne avermelhada, já os de cativeiros são submetidos a tingimento mediante corantes sintéticos (astaxantina e cantaxantina), os carotenóides análogos aos naturais, são os mesmos usados nas rações das galinhas para produção de ovos com gemas "tipo caipira". O mais interessante é  que em termos de toxina, 100gr de salmão com corante equivale ao consumo de um ano de enlatados.
  • O salmão sem dúvida é uma rica fonte de vitaminas e Ômega 3, no entanto, os de cativeiro não conseguem atingir a qualidade nutritiva que os selvagens tem, sem mencionar o volume de gorduras saturadas. Cabe aqui mencionar que o ômega 3 não é produzido pelo salmão, ele apenas o armazena através da ingestão de animais marinhos (crustáceos) os quais se alimentam de algas e plânctons. 
  • A indústria salmoneira tem crescido muito no mundo e sua demanda também, como consequência todo esse processo tem causado grandes problemas: Ecossistema, A Pesca Sustentável, Extinção de Comunidades e Vilas, Alto Índice de Toxinas,   Contaminação das Águas dos Rios e Lagos e  grandes riscos à Biodiversidade marinha.


Doc. ralata descaso do governo canadense sobre impacto ambiental da aquicultura  


A fome no mundo e a demanda por alimento para suprir uma população futura de bilhões de pessoas são os apelos que as indústrias e os governos fomentam para conduzir pesquisas e a produção de alimentos geneticamente modificados. Nos Estados Unidos a produção do salmão transgênico já foi aprovado e agora aguardam a regulamentação sobre o rótulo para venda. Um animal criado a partir do salmão chinook e a enguia  que cresce mais rapidamente do que os  de cativeiro e é apontado como estéril, já que existe   uma preocupação com o desenvolvimento na natureza.
O fator transgênicos continuam a dividir opiniões, enquanto as indústrias aliadas ao governo  tentam demonstrar o lado positivo dos transgênicos, muitos cientistas, organizações e entidades pró orgânicos e sustentáveis apontam os produtos geneticamente modificados como causa de várias doenças relacionadas ao câncer, além do impacto ambiental.

Vídeo mostra a realidade e o futuro do salmão, além do apelo pelo transgenico 




Nenhum comentário:

Postar um comentário